25 de dezembro de 2017

Para vencer surge o Amor

Nascemos sobre todas ás coisas, porque enxergamos
Tudo muito nos parece distante pelas ilusões
Que são só notícias e tudo estaciona, neblina dos olhos
Tudo é possível, no imaginar de cada pensamento

Um mundo que podemos recriar
Totalmente fora dessa mecanização mortal
Chega de engrenagens, sons de festas e ressacas insanas
Busquemos a vida em tua  plenitude, a ponte

Cruzar as estradas e cegar o passado
A cada passo sentir e ver surgir a estrada que nos espera nesse caminho
Sem obsessões ou possessões da existência, ter o domínio de si
Da ciência do corpo e dos sonhos, nossos

A sensação de que neva e posso tocar no orvalho
Que rega a relva em sua imensidão, não é a neblina
É apenas os olhos, o segundo e isso passa
A fronte do riacho coberto, imenso mistério
O chiar e chacoalhar das folhas das árvores

Mergulho em apenas o olhar, e ele transcende
Sabe que estou ali e ouço teu agitar, as ondas
Junto aos ventos invisíveis
Não é um corpo que preciso, mas do que está ali

Diante dos olhos,
E me basta sentir e ver
Como te busco e sua imagem me completa
Porque tu és meus interior,

Minha flora Keile de lindo lilás/

A criação sem as nossas mãos
Dando o fruto no cacho
Em que os pássaros lindos se alimentam
A ponte do rio para a estrada

E a noite vem caindo, após o derradeiro dia
De sol e gotas cristalinas de chuva de orvalho
Sem pensamentos, mas com a graça de recriar a imaginação
Esperar e deixar ser, surgir, porque é  amor

A monção dos montes e outeiros
Toco e sinto,  e isso realizo, te busco e te encontro
Descansa a alma, e flutua o corpo a realidade
Descubro aqui no alto dessa colina
Que toda águia faz teu ninho em meio aos espinhos...

Pois assim aprendem a voar, não a ter apenas os pés no chão.

Toda essa euforia pelo qual o tempo tem transtornado, o rarefeito em que a maioria dos homens negam por insuficiência física, causando o des...