14 de dezembro de 2017

Tu és todas as fontes...

Porque tu és o encanto que transmite toda verdade que habita dentro da  minha alma. Tu és a chave que me faz desvendar todos os mistérios que se distanciam dos meros segredos que a vida deixar chegar e fazem estacionar os passos. Estar aqui em meio a isto é como ser o vento que leva para longe todo e qualquer modo de fazer de um jeito qualquer, também. E eu reparo a flor observando o movimento das águas verdes deste lago do lado de cá, desvendando a ponte que faz com que tua proximidade seja a realidade da minha esperança. A expectativa de que cada árvore ao meu redor pouco a pouco, dia após dia, trocará suas folhagens e suas copas outrora nunca serão as  mesmas. Toda engrenagem que habita lá do lado de fora, são passagens dos ruídos que não podem nos causar danos. É como me sentir numa terra, onde a nobreza não passa de ser o silêncio para tudo perceber como são as cores e os nossos olhos dão forma e cria-se a paisagem... Tu és a tela que realça os ventos, o mais desejado declínio dentro do turbilhão que se acalma no pensar de tua desejada chegada. A tarde cai ao meado do instante, dando-me a sensação de que tudo não passa de nada, porque é da maneira que se recria os olhos, para permitir que seja a alma tênue no mais alto ápice do acontecimento interior. Não são as noites  mais escuras que os nossos pensamentos e  nem os males invisíveis que nos direcionam aos abismos, mas os nossos sentimentos como trilhos permitindo que cada dia seja um vagão, e cada vagão uma bagagem para lembrar que não se ganha pela ilusão de ver, mas se conquista pela força que não temos, mas criamos através dos sonhos...

"E se finda o entardecer (Repentina-mente) vem a noite Caindo enluarado céu em sua majestade Eterna existência de séculos passad...