17 de janeiro de 2018

Transforma-se o recinto

Onde transborda o coração em pensar
E se revela um refinado mistério
Nada comum e extremamente extraordinário
Mergulha os olhos no canto da sala

E vago confuso nesse sentimento inóspito
E vejo o que nunca vi
Sento no silêncio do quarto a meia luz
Onde habita o verso oculto

Que sou eu!

Gosto da palavra Que forma o verso E dá sentido ao pensamento Tudo pela metade Significa nada É como suicidar o pouco que se sabe E tr...