10 de fevereiro de 2018

O sopro do vento fala em meus ouvidos
Como o alento desejado da alma
Expira o instante e silencia os lábios
E nem a língua se move
Perversa realidade que se levanta nas ilhas
Pensamentos extremos que tudo vê
Mas o sentido se desfaz...
Tomou peso o vento e conseguiu medir as águas
Às águas se fizeram leis a sua existência
O relâmpago se fez um novo caminho
E o trovão  prepara o mundo
As sombras da noite soam como vasta luz
Transbordando o ribeiro às águas
Tudo leva, nada resta, senão a existência
De que todas as coisas vão passar
A lua já não é brilhante e o sol não é mais puro
E todas as estrelas navegam no espaço sem ar, sem cor aos olhos
A hora é um bicho oculto devorando almas
Aconselhando as ondas, esquecemo-nos do instante
E tudo vai passando longe d'onde funde o metal do espírito
[…]
Os mortos tremem debaixo das profundas águas
E os moradores gritam por socorro no silêncio
E nada e nem ninguém os podem ouvir
O inferno desnudo a mostrar sua coberta de perdição
O norte estendido sobre o vazio, e se suspende a terra sobre o nada
Prende as águas densas chuva atemporal e fria
E tudo que há debaixo dela se rasga em meio as partidas das estações
E os trilhos de metais se deslocam debaixo das nuvens
O limite da superfície das águas até os altos confins da terra
A vida expressada entre a luz e as trevas
As colunas se espantam as ameaças dos ventos
O mar se fende e compreende quem está ali, é gentil e terror sobre a noite
A morte enterra a vida, e murcha flor insiste respirar
Transborda lindo ribeiro d'água junto aos pés que se banham
E então, revolve o fogo ímpeto lugar a queimar
Abre-se os olhos e nada tens senão o que ali está
Assobia/.
Tira as coisas do lugar
E descobre na chuva as leis
E vento oriental
Declina/.
E a alma sente o que é precioso
E o corpo se torna um rochedo
Que nem chuva e nem vento
Pode arrastar, toca e ponto,
Passa/
Pois a mente é uma mina
E os olhos a tua fonte...
E tu és a minha própria vida,

Gosto da palavra Que forma o verso E dá sentido ao pensamento Tudo pela metade Significa nada É como suicidar o pouco que se sabe E tr...