26 de abril de 2018

No percurso da nossa construção, as vezes alheios a todas as coisas, pairamos e negamos a nós como princípio de cada estrada. Mas chega o momento em que os olhos se fecham e não vemos mais como são as coisas, mas como desejamos que elas sejam.

Sua voz... Quanta ternura num só ser, Mas por hoje! Almejo sonhar no teu sono E no limiar do teu descanso Repousar em teus seios!