4 de abril de 2010

      ─ “As portas sempre serão destrancadas. Como feitas para não permanecerem trancadas. Erros que um dia não poderão ser consertados. Uma guerra que se luta, e assim poder vencer. Canções que não serão cantadas. Um Deus confiável, pessoas idênticas com pecados perdoáveis. As verdades são indiscutiveis, é sempre noite quando o dia termina. Como também, sempre poderei destruir minhas, emoções. Você deseja nascer novamente? Apenas por um minuto?

Deixe-me compartilhar com você uma memória

Dentro desse sonho, há uma imagem da morte E ela me leva onde há um saco de ossos Em que ali está o meu nome E pelo corredor daquele vale...