5 de abril de 2010

     Não pagarei pelos meus pecados. Pois das coisas que fiz, não me arrependo em ter deixado tudo para trás. Somente me sobra uma sentença, fazer as coisas boas que ainda não fiz. Tudo se suaviza, nada nos para. Simples ver, acreditar pode agora. Sentir em alguns momentos, e fazer a todo tempo.

Deixe-me compartilhar com você uma memória

Dentro desse sonho, há uma imagem da morte E ela me leva onde há um saco de ossos Em que ali está o meu nome E pelo corredor daquele vale...