6 de abril de 2010

A verdade é que eu nunca lhe falarei sobre as tristezas que crio, mas que logo as deixo! Sou locutor delas por pensar, e condutor das minhas alegrias, quando desejá-las. Adoro as sensações do nada, de tudo... Vivendo sem deixar que o passado me prenda, mas de qualquer forma, sinto que não precisará me falar sobre o que contigo aconteceu.

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...