27 de abril de 2010

"O senhor, bêbado, estava na calçada com seus netos, logo pela manhã. . . Eu da minha a fumar um cigarro, apenas olhava o nada, mas ainda sim podia ouvir, tão bem mas sem reparar, os conhecia. Eram meus vizinhos, como não saber? Se as vozes me eram cada uma familiar. Tragava o cigarro, algumas pessoas circulavam as calçadas. Quando ouvi um dos netos daquele senhor dizer: ─ Vô? O senhor já foi almoçar? Seu avô o respondeu: ─ Não! Voz distorcida de quem sim, já havia tomado duas ou três. . . O garoto insistiu: ─ Mas o senhor não vai almoçar? O senhor que tranqüilo estava, notou que seu relógio ainda marcava "11hrs e alguns minutos" não de seu costume almoçar aquela hora. E disse: ─ "Você erra, erra, erra. . . Mas não nota os seus erros!" O silêncio de seu neto se fez presente e nada mais disse. Porque ele silenciou-se?

Nós que confiamos em Deus, sabemos que não é  porque podemos uma ou outra coisa que a vida se realiza ou está realizada, mas é na superiorid...