29 de julho de 2010

"Acordava todos os dias, não sabia se o que fazia era ruim, ou bom. Não tem uma velha guitarra, mas quando escuta-as, parece tocar. Nos fins de tarde, sempre o demasio de uma tarde comum, não tem muitos barulhos na cidade. Aparentemente parece depressivo, mas viajava pelas estradas, no sul de Londres. As luzes acesas, os passos que desviavam outros corpos, esbarrão? Nem pensar, se quer um toque. A verdade é que faz tudo certo, podia sair por ai, vender tua poesia, comprar as pessoas. A chuva desta tarde, lhe traria alívio imediato, pelo menos as mãos se lavariam, para limpar o rosto, quem disse que teria de ter uma lágrima, o céu as vezes chorava, e tinha vezes que parecia não querer parar. Mas então quando chegava a noite, era hora de ir! E uma velha poesia, era o que se poderia oferecer ... Não tinha cena, pois estava tudo certo.

"Eu e Ela."

Não são moedas meus anseios Ardentemente, desejo além do pensamento Porque não enxergo com os olhos Enxergo com a alma E somente ela sab...