26 de dezembro de 2010

E entrelinhas, entende-se
O que flui sobre o desejo de gostar
Não tem segredos, só um modo
Diferente de fingir que as vezes é triste
Pois isso passa, como o vento passa
Reticências, parágrafos, e entende
A passagem de uma estrada
Beira o caminho para sempre
Desce o dia, cresce a noite
Tem um silêncio no olhar
E observa as ondas, como se fazem
Dos teus sonhos, ainda não realizados
O suspiro alerta-te da vida
Que deseja, a sempre ter.
PoetaLuar/ Maria Bonfá

"Somos feito uma imagem de um som inaudível! A cor como o mais rarefeito da vida em sua existência interna. Coisa pela qual nada ...