22 de abril de 2013

" ... Desenhos vitrais,

Cidade fantasma de uma mata serrada
Há algo lá fora!
Se esconde as sombras, enriquece o olhar
Trilhos e linhas perdidas

O silêncio que fala da noite
Carrega a fragrância de uma flor
Se acende a fogueira
Olhos perdidos as vitrais

Figuras que assolam o males
Para longe do sentido intímo
A vela a dissipar sombras
Que nunca conhece os ventos

Trilhas de uma cidade fantasma
Assomos de sonhos perdidos
Espelho de luzes frágeis
Jazindo profundo adormecer

Espectros de trovoadas
Que desenham um infinito horizonte
Onde estranhamente caem
Milhares de estrelas, além-do-além.

                                  A //Ruany Barros

Toda essa euforia pelo qual o tempo tem transtornado, o rarefeito em que a maioria dos homens negam por insuficiência física, causando o des...