25 de junho de 2013

"Aprendi a gostar do que não existe. Para fazer juz o sentido da imaginação."

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...