25 de junho de 2013

"Aprendi a gostar do que não existe. Para fazer juz o sentido da imaginação."

Deixe-me compartilhar com você uma memória

Dentro desse sonho, há uma imagem da morte E ela me leva onde há um saco de ossos Em que ali está o meu nome E pelo corredor daquele vale...