13 de março de 2014

"Sobre o griz deste chão,
Onde se fazem espelhos as poças
Caminha uma criança
Revestida a luz da lua,
Ela paira o vento, derruba as sombras,
E alumia com seu olhar, becos antes escuros
Tem o tempo as pequenas mãos
Que deslizam as grades do portão frio
As rosas nascem e morrem os espinhos
Que ao sonhos dos outros
Parecem dormir, mas ela
Caminha, assim descalça,
Revestindo o céu com estrelas seu olhar
Uma canção que aquece o peito
Desnudo da noite fria,
Uma pequena Luci-di-luna."

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...