6 de junho de 2014

 "È que teu olhar faz-me se perder em grandes devaneios. Onde navego teu corpo em mar, mesmo sem te tocar. Porque te vejo, e te tenho, assim do meu jeito. Disperso do mundo e de tudo, sou teu sem saber se és minha. Encanta-me teus sonhos, teus desejos, e assim me perco nos devaneios sem querer voltar para onde me levas. Porque diante de todas estas estradas, não há nada além de você que eu queira ver e buscar. Pois tu és o caminho e o mapa que quero me perder e me encontrar ao caminhar."

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...