5 de junho de 2014

Tão pequenina princesa vista daqui do alto desta montanha
Quê tanto lhes cobrem com prata e ouro o brilho da luna?
Se o tédio lhes acaba por dentro a alegria, finges ser
Só que é ali, onde se esconde as sombras ...

"Possui todos os cantos, mas não canta
Tens no olhar todo o encanto, mas não encanta
Ès excelência nos sonhos profundos,
onde navega sozinha aos confins da terra"

Sabe que ser o sol, também é ser lua
Pequenina princesa que vista aqui de cima
Brilha feito uma estrela aeon ao infinito
Que caminhos trilham seus passos pernoite?

 Torre alta de um castelo distante, onde ela vaga
Somente com olhar, pois distante do cais
Outrora movendo mundos de mistérios
Ès o mar em profundo encanto, acalento seu canto

Onde adormecem as rosas,
E desperta os lírios, e assim ela vai
Como quem conhece que é preciso partir
Para longe daquilo que tudo querem, e abandona o tédio."

Deixe-me compartilhar com você uma memória

Dentro desse sonho, há uma imagem da morte E ela me leva onde há um saco de ossos Em que ali está o meu nome E pelo corredor daquele vale...