25 de agosto de 2015

"Uma fria brisa, e caminho sozinho
Pois nada vê os olhos, senão destroços
E por onde descaminho, deixo um pedaço
De mim, para que eu esqueça ontem
Tudo que se foi, tudo que parecia ser
Este instante é o mais que tudo transforma
A cada passo que dou, deixo um sonho
Que se realizou só de eu ter antes existido
A sombra de mim, que temia a nada
Agora alavanca um novo existir,
Derruba as pontes, desfaz as trilhas
E aniquila tudo que parece alto
A cada passo que dou aqui, descaminho
De tudo que nada me vale."
 
 

Sua voz... Quanta ternura num só ser, Mas por hoje! Almejo sonhar no teu sono E no limiar do teu descanso Repousar em teus seios!