18 de abril de 2016

Que guerreiem os anjos e os demônios onde não vejo. Porque pela minha alma até onde eu sinto e vejo, luto eu.

Sua voz... Quanta ternura num só ser, Mas por hoje! Almejo sonhar no teu sono E no limiar do teu descanso Repousar em teus seios!