6 de outubro de 2016

Surge um som estridente dentro do pensamento, e move um desejo que morto estava. Acende uma luz ao longe e buscamos sem notar o instante que nos estava reservado, sonhamos um momento e vivemos n'outro. Deciframos a razão de estar aqui ou acolá, vivendo aquilo que não sabemos bem como desenhar. Há um gesto que mostra que não precisamos de mil motivos para sorrir e sermos felizes. Basta existir e contemplar a alma, ao invés de cobiçar corpos e curvas. Pois são as estradas que nos mostram quem somos, e cada gesto ou palavra, nos liberta das cadeias, chamadas, pessoas! 

"Atenua-se no vasto céu negro antigas estrelas e esplendorosa e formosa lua...

Fazendo mundos surgirem junto a sensação do vento noturno Solstício outono também declama o amor as folhas Onde cada uma delas também...