28 de dezembro de 2017

Enquanto isso!

Todas às coisas acontecem, surgem e são
No meado do segundo tempo da vida
Que está e vai além dos nós de nós
Para que até chegue no interior, nosso

Nada tão relés e vão
Para que tudo nos ocorra
De forma que sombras não ocultem as palavras
Como essa noite que escrevo

A meia luz da relva em orvalhos cristalinos
Apenas a luz da lua/

Tão somente a luz natural do meu ser
Que te busca no verso que recria
E vai formando o poema
Vai desenhando o sonho, realizando a vida

A água deste ribeiro entoa notas
De uma canção antiga
Tão nossa, quanto deste ribanceiro
Frio e intocável como nuvens

Enquanto isso sem o vento
Ouço o chiar das águas
E me deito no silêncio da noite
Para te sonhar, Amor.

Gosto da palavra Que forma o verso E dá sentido ao pensamento Tudo pela metade Significa nada É como suicidar o pouco que se sabe E tr...