15 de março de 2018

Águas rasas de rio profundo

Que nos mede ao medo a passagem da nuvem
Do olhar que nos vemos a refletir o som da alma
Em meio ao vento que sopra e forma ondas
Faz-me parar e temer ao frio inóspito

De águas rasas.
E rio profundo/.

Do que transforma teus mistérios
Em espelho belo de um céu eterno e intocável
De um azul profundo como o oceano estrelado
Se desenhando em brando mar

De águas rasas.
E rio profundo que encontra o mar/.

Tecem no fundo segredos teus
Que ao meu corpo se revelam
E de águas rasas que se desfazem
Faz do profundo, desejado

De águas rasas e escuras
Do mais profundo desejado...
Porque não teme sentir o coração
Submergir a tua alma

[…] Que é profunda.
Numa vida mera e rasa. […]

Essas sensações que me surgem e me tomam por suas cores invisíveis e de finitudes indomáveis. Me fazem saber que estou no caminho certo, não...